KBL Contabilidade

Brasil ultrapassa média mundial em escassez de mão de obra qualificada e atinge 81% em 2022

Por: Autor
28/07/2022

Um novo estudo realizado pelo ManpowerGroup revelou que a falta de mão de obra qualificada no país alcançou a marca de 81% neste ano. O número fica acima da média mundial, que é de 75%.

A pesquisa entrevistou 40 mil empregadores em 40 países, e 3 em cada 4 empresários confessaram dificuldades em encontrar talentos.

Em entrevista à CNN Rádio, a diretora de gestão estratégica de pessoas no ManpowerGroup, Wilma Dal Col, explicou que a pandemia “pisou no acelerador” do problema, mas não o causou.

“A cada ano, as empresas têm mais dificuldades para preencher vagas, desde as mais simples até algumas funções que exigem maior preparo e formação”, avaliou.

Essas dificuldades, segundo a diretoria, estão relacionadas ao avanço e desenvolvimento da tecnologia, que vem cada vez mais trazendo soluções ágeis e exige o melhor da competência humana.

“Mão de obra qualificada não é só formação e execução de atividade, mas comportamentos e habilidades humanas que podem fazer a diferença.”

Para ela, as chamadas soft skills exigem que o ser humano aprimore a capacidade de relacionamento e trabalho integrado, por exemplo. 

As empresas, diante desse quadro, podem seguir dois caminhos, segundo a diretoria: uma de curto prazo e outra de abordagem sustentável.

“Primeiro é questionar como estou atraindo e retendo talentos, se estou com as melhores práticas de seleção e oferecendo o que querem, e a sustentabilidade é trabalhar com o preparo dos profissionais, ser um pool de talentos, não de pessoas prontas de imediato.”

Paralelamente a isso, Wilma reforça que a mudança está “na mão do profissional também”: “É uma via de mão dupla, escolhas individuais fazem parte, a proposta de valor para a carreira é importante e está nas mãos dele.”

Os segmentos em que há mais demanda por talentos, de acordo com a pesquisa são: tecnologia da informação, atendimento ao cliente, logística e operações e marketing e vendas.

Fonte: Portal Contábeis; CNN